quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Uma mulher, uma criança e uma morte

Tenho observado todas as luzes quando anoitece. Sempre tive gosto por isso, mas agora virou rotina. Ontem me perdi nos reflexos e despertei-me assustada. Uma mulher morreu tentando salvar uma criança. A criança corria pela rua e não percebeu o carro que vinha desgovernado. Sei que aquela mulher não pensou duas vezes. Pulou na frente. A criança saiu andando, depois de cair no chão. Não pôde agradecer a mulher. A criança já tinha sido afastada do corpo mesmo antes da mulher ter morrido pra sempre. 

Começo a pensar que a mulher será o sonho desta criança. Nem me ocorre pensar que poderia ser o pesadelo. Depois da longa pausa que fiz, encontro-me em prantos, analisando aquele saco preto que fora jogado em cima do corpo valente. Me deu uma vontade desesperada de correr até lá para deitar ao lado dela. Não pude. Resolvi então que ela se chamaria Dora. A criança? Ah, a criança se chama Clara. Uma linda menina que tem um olho de cada cor.

Será que Clara já tinha conhecido a palavra morte? 

VS.

3 comentários:

Regi disse...

Presenciei um acidente pior esses dias.
Um homem dirigindo com toda a família.
O carro capotou.
No engarrafamento vi as crianças sem vida. uma senhora, provavelmente a avó, era removida ainda viva. a mãe estava em estado de choque. o restante estava espalhado pela pista.
Vermelha. Vermelho. Uma cor viva, toda, toda cinza.
A vida é mesmo curta.
Acho que eles não viveram o bastante pra aplaudir. e agora não têm mais chance.
Por isso me cobro tanto.
Se tenho a chance, por que estou aqui desse jeito?
preciso aplaudir.

Anderson Magalhães disse...

E o seu prazo de validade, qual é? Carpe Diem.

Violet Scott disse...

tenho tido problemas com a finitude.
assim que resolvê-los, poderei pensar melhor.

VS.