quarta-feira, 23 de julho de 2008

Terno e quase perto

Eu te vejo todos os dias e você nem aí.

Eu não tenho qualquer traço psicopata, então, pode se aproximar. Na verdade, eu queria mesmo é te dar um abraço. Abraço pra sempre. Não tenha medo de chegar mais perto, é bem possível que eu nem diga nada. Já imaginou que posso ser muito envergonhada? Já imaginou que eu posso simplesmente não querer falar uma só palavra?

Você nunca deve ter imaginado todas estas situações. Eu penso nelas com alguma frequência. E não ache que alguma frequência é a mesma coisa que todos os dias. Tá? Sei que você sempre distorce um pouquinho as coisas. Já tenho dificuldade em não ser extremista e, quando consigo, você distorce. Não. Combinado?

Um dia desses me peguei pensando em como seria se a gente se encontrasse na sala de embarque de um aeroporto. Eu embarcava para a Europa e você também. Mesma cidade. Teríamos todo o tempo para conversar, desde a espera do vôo até a chegada na cidade. E eu ainda tinha certeza que íamos acabar jantando juntos quando chegássemos ao nosso destino. Não saberíamos onde ir, sairíamos andando e escolheríamos o mesmo pequeno restaurante. Como chama isso? Sintonia?

VS.

2 comentários:

sharon disse...

sintonia é essa coisa que me faz continuar acreditando. porque é bom saber que a gente não vibra sozinho nessa freqüência.

L. disse...

Sintonia, surpresa, sorte, sonho... Tomara que você queira falar uns sem-número de palavras quando passar por isto.